Quais os riscos de uma cirurgia plástica?

Dr. Luiz felipe fala sobre os passos fundamentais para uma cirurgia plástica ser bem sucedida

Quebrando paradigmas e estigmas sobre cirurgia plástica

Hoje em dia a cirurgia plástica está muito em alta. Muita gente gosta de falar no assunto, escutamos muita coisa na mídia, vemos muita coisa na internet e nem sempre isso tudo é verdade.

Os perigos da cirurgia plástica

A primeira coisa que eu quero ressaltar a respeito de cirurgia plástica é a questão de que ela é perigosa. As pessoas têm em mente que quando as pessoas vão fazer uma cirurgia plástica é uma roleta russa, que nós não sabemos o que pode acontecer com o paciente e na verdade não é bem assim. É tudo muito bem programado para o paciente que deseja realizar uma cirurgia plástica, pois não é só o momento da cirurgia, ele passa por todo um processo. Temos o pré-operatório, o intra-operatório e o pós-operatório.

Passos para uma cirurgia bem sucedida

No primeiro passo que é o pré-operatório, nós passamos diversos exames para o paciente realizar, nós vamos escanear a saúde dessa pessoa e ela só vai poder se submeter ao procedimento se estiver 100%. Se tiver qualquer coisinha nos exames dela, vamos primeiro tratar para depois pensar numa cirurgia plástica.

Esse é o primeiro aspecto: paciente de cirurgia plástica tem que ser 100% saudável, tem que entrar bem no hospital para sair melhor, com a autoestima lá em cima e absorver tudo de melhor que a cirurgia plástica pode trazer na vida dele.

O segundo passo é a cirurgia, que é quando nós pecamos pelo excesso de segurança para o paciente. Toda cirurgia plástica tem que ser realizada por um membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em um ambiente hospitalar adequado, com toda infraestrutura, para que qualquer intercorrência seja tratada, para que qualquer preocupação que o paciente possa vir a ter, por exemplo uma reação alérgica, uma coisa tão comum na população, nós consigamos reverter qualquer quadro de forma que ele volte para o quarto como se nada tivesse acontecido.

Esse é o segundo passo: cirurgia plástica tem que ser feita com toda a segurança possível.

E o terceiro passo é o pós-operatório, que é quando muitas vezes nós lidamos com o imponderável do organismo de cada um. Eu sempre digo que cirurgia plástica é a única especialidade médica na qual quem indica esse procedimento é o paciente e não o médico. O nosso papel aqui é:

Dizer se dá ou não para ser feito o que a pessoa deseja;

Indicar um procedimento adequado para que ela atinja o resultado desejado;

Avaliar o custo-benefício de o paciente se submeter a uma cirurgia para colher aquele benefício para o resto da vida dele.

Vale sempre lembrar que existe um tempo de cicatrização, um tempo de repouso e recuperação para qualquer cirurgia. E a cicatrização vai depender de três coisas básicas:

1) O procedimento médico, no qual todo membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, eu tenho certeza, vai perder todo o tempo do mundo para fazer a melhor cirurgia possível para aquele paciente;

2) A cicatrização imediata, que depende mais do paciente do que do próprio cirurgião. Respeitar o tempo de repouso e comparecer à clínica do médico para fazer todos os curativos são alguns procedimentos que cabem ao paciente, é responsabilidade do paciente;

3) E claro, o imponderável de cada organismo. A medicina não é uma ciência exata, não é matemático. Tem pacientes que demoram mais a desinchar, tem pacientes que cicatrizam melhor, mas para garantir que seja boa a cicatrização nós realizamos um acompanhamento muito próximo de cada paciente.

Hoje em dia temos um arsenal enorme para tratar qualquer complicação, qualquer cicatriz que fuja dos padrões estéticos. Temos pomadas de corticoide, infiltração, placas de silicone, lasers, atenção com dermatologista, com nutricionista, com fisioterapeuta, enfim, um arsenal enorme paralelo à cirurgia plástica através do qual podemos providenciar a melhor cicatrização possível para cada paciente.

Quero ficar parecida com aquela atriz da novela…

É muito comum alguns pacientes chegarem ao consultório e mostrarem fotos de pacientes que já foram operados ou de celebridades, achando que vão ficar com aquele resultado. Não é matemático. Como disse anteriormente, cada corpo é único, cada organismo é único, então cada cirurgia plástica será única também. Não é uma produção em série. Quem quer produção em série é melhor produzir carros, aparelhos de ar condicionado e não medicina. Na medicina a gente trata cada indivíduo exclusivamente, individualmente, então cada um terá uma cirurgia plástica indicada e uma recuperação personalizada. O papel do cirurgião plástico será acompanhar todo esse processo, para que se consiga atingir o melhor resultado possível para você.

Se você tiver alguma dúvida, entre em contato conosco, teremos o maior prazer em atender você da melhor maneira possível.